Notícias

Compartilhe:

Com operações iniciadas há mais de 20 dias, a quarta fase do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe) já emprestou mais de R$ 17 bilhões, dos R$ 25 bilhões previstos ao país, o que equivale a cerca de 70% do total. Apesar das mudanças no programa este ano, que incluiu taxa de juro maior, o Pronampe segue como uma das alternativas mais baratas de crédito à pequena empresa nessa fase da pandemia e por isso registra alta procura, observa o senador Jorginho Mello (PL-SC), presidente da Frente Parlamentar da Micro e Pequena Empresa.

– Os maiores volumes de recursos estão sendo emprestados no Sudeste, onde há um maior número de empresas, mas em Santa Catarina, considerando as etapas do ano passado, já foram liberados R$ 3 bilhões pelo Pronampe – informou o senador.

A mudança principal foi a adoção de taxa de juro de até 6% ao ano além da Selic para que os bancos fossem motivados a correr mais risco e emprestar mais, tendo aval de 20% do total (R$ 5 bilhões). Essa alternativa deu certo porque a demanda segue alta. Como o programa virou política permanente, Jorginho Mello prevê que o Ministério da Economia fará mais aportes ao fundo garantidor para que tenha continuidade.

Afora as alternativas de juro zero disponíveis em Santa Catarina, o Pronampe é uma linha de crédito mais barata do que a média do mercado para capital de giro, por exemplo. Enquanto a taxa máxima do programa chega a pouco mais de 10% ao ano, as linhas de bancos comerciais para capital de giro, por exemplo, têm taxas que variam de 21% a mais de 40% ao ano.

Nessa última etapa do Pronampe, 223 mil empresas do país já foram atendidas, mesmo com as novas regras. Em Santa Catarina, parte das micro e pequenas empresas conta agora com a alternativa do SC Mais Renda Empresarial, programa emergencial do governo de Carlos Moisés. Segundo o presidente da Ampe Metropolitana, Piter Santana, quem pode está buscando a alternativa de crédito com juro zero. Isso porque parte dos empresários considerou alta a taxa de 6% mais Selic na nova etapa do Pronampe.

Via NSCTotal – Coluna Estela Benetti