Notícias

Compartilhe:

Índice foi influenciado por expectativas positivas de venda do varejo relacionadas a presentes ligados aos Dia dos Pais.

O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec), apurado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), subiu 4,3% em agosto ante julho, para 115 pontos, informou a entidade. Na comparação com agosto do ano passado, a alta do indicador foi de 47,2%.

De acordo com a entidade, o resultado, terceira alta consecutiva do índice, foi influenciado por expectativas positivas de venda do varejo relacionadas a presentes ligados aos Dia dos Pais. Além disso, o indicador também foi beneficiado por esperança em melhora na economia, nos próximos meses – devido ao avanço recente da vacinação contra covid-19.

Ao detalhar a evolução do indicador, a CNC informou que os três tópicos do Icec apresentaram aumentos, em agosto, tanto na comparação com julho quanto em relação a agosto de 2020. É o caso dos aumentos, respectivamente, em condições atuais, de 10,6% e de 149,9%; de expectativas, de 1% e de 19%; e de intenções de investimentos, com elevações de 4,1% e de 44,2%.

Em nota, o presidente da CNC, José Roberto Tadros, reforça que a proporção de pessoas vacinadas no País está diretamente ligada à resposta de atividade do setor, ainda muito dependente das vendas presenciais, notou Tadros.

“Mesmo com alta digitalização do comércio e adoção de serviços de delivery, seja em shopping centers ou lojas de rua, é um segmento que tende a acompanhar essa movimentação física das pessoas”, afirmou Tadros, em comunicado da CNC sobre o Icec.

Na prática, o desempenho também torna mais favorável expectativas para os próximos meses para o setor, no entendimento de Antonio Everton, economista da CNC responsável pela pesquisa.

“O indicador aponta um segundo semestre mais positivo, com vendas impulsionadas por datas comemorativas que têm tudo para acontecer acima do ano passado. Além disso, há uma nítida sensação de que as condições atuais da economia evoluíram até o momento, colocando o olhar dos comerciantes sobre a crise no espelho retrovisor”, afirmou o especialista, no comunicado da CNC sobre o indicador.

Via G1