Notícias

Compartilhe:

O acerto das malhas fiscais

Vigorando desde setembro de 2020, o aplicativo Malhas Fiscais, desenvolvido pelo Grupo Especialista em Planejamento Fiscal, vem possibilitando uma maior interação entre fisco e contribuinte, por intermédio dos profissionais da contabilidade. Capitaneado pelo auditor fiscal Huelinton Pickler, o sistema passou a integrar as ações da Diretoria de Administração Tributária.
As fiscalizações sobre as pendências do exercício de 2019 foram concluídas. Devido às insistentes solicitações do corpo fiscal para que fossem regularizadas as inconsistências existentes, até que foram poucas as reclamações. Muitos contribuintes se anteciparam pagando os valores devidos ou apresentando as informações pertinentes às comprovações dos fatos. Claro: aí tem a mão da contabilidade. Quanto maior a sua dedicação, embora entenda-se a quantidade de atribuições que desempenha à frente do escritório, menores serão os reflexos que venham acarretar o desembolso do seu cliente, assim como minimizar o desgaste pela qualidade dos trabalhos realizados.

Vem mais
Com o andar da carruagem, novas fiscalizações devem sair do forno. Pelo que consta, irão aportar às portas de cerca de 8 mil que deixaram de cumprir com as obrigações tributárias (recolhimento do imposto ou entrega das informações fiscais) já na segunda quinzena de junho. Comparando com a empreitada de 2019, ocorreu, na maioria das malhas, uma redução em torno de 30%, o que significa dizer que as ações estão sendo observadas e, dentro desse patamar, regularizadas. O fato negativo fica em relação aos cartões de créditos/débitos que continuam com percentual acima do esperado. Muitos sequer se preocupam com os lançamentos, ignorando que o fisco detém o controle sobre as operações, independentemente de registro ou não. Há outro fator a alertar. Os não lançamentos de aquisições pela entrada. Vai dar pano para manga quando chegar o momento de acertar as contas.

Palestra para administradores 
A integração entre profissional professor e aluno, com sede de aprendizagem, são características das instituições comprometidas com o desenvolvimento das gerações futuras. Lecionar requer além do conhecimento e aptidão da academia, mas sobretudo o conhecimento vivenciado, por experiências transmitidas aos que presencialmente ou distantes possam discernir melhor sobre o futuro da profissão. Na última terça (31/5), foi-nos oportunizado compartilhar um pouco do aprendizado a alunos da 5ª fase de Administração, do Instituto de Ensino Superior e Faculdade de SC, com o tema “Gestão Pública e Fiscal”. Numa sugestão do titular e mestre Ricardo Espíndola, era mostrar um pouco da realidade sobre o setor público. A participação efetiva e o efeito compensador ficaram evidenciados pelos questionamentos e o desejo do “quero mais”, interrompido pelo adiantado da hora. Ao professor Ricardo, nossos agradecimentos pela contribuição, colocando-nos à disposição.

Refletindo
“Sigamos plantando para que gerações futuras possam colher”. Salve 5 de junho. Uma ótima semana!

Por Pedro Hermínio Maria – Auditor Fiscal da Receita Estadual de SC