Notícias

Compartilhe:

A crise do coronavírus e as restrições de funcionamento e atendimento ao público aplicadas a bares e restaurantes já fizeram o setor gastronômico de Blumenau perder cerca de 30% dos postos de trabalho desde o início da pandemia. A estimativa é do empresário Jonathan Benkendorff, presidente da Associação Blumenau Gastronômico, entidade que reúne cerca de 200 estabelecimentos da cidade. Em números absolutos, são de 900 a mil postos de trabalho a menos apenas entre os associados, mas o impacto geral é maior.

Benkendorff foi o convidado da edição desta quarta-feira (24) do Santa 3 por 4, programa semanal do Jornal de Santa Catarina transmitido pelas redes sociais. Na conversa comigo e com os colegas Evandro de Assis e Bianca Bertoli, ele falou das dificuldades enfrentadas pelo setor, de como a adaptação ao cenário tem sido difícil diante de regras que mudam rapidamente e que a atividade não é uma das vilãs da pandemia.

— Existem suas exceções e problemas, como em qualquer setor, mas a grande maioria (dos estabelecimentos) se adequou a tudo que é necessário e segue as regras necessárias da Covid — destacou.

O empresário também falou sobre as restrições de vendas de bebidas alcoólicas em bares e restaurantes após as 18h, ressaltou que o delivery, embora ajude, não supre nem 20% do movimento de um salão de restaurante e comentou da resistência, em alguns casos, de clientes que não usam máscara e desrespeitam o distanciamento.

Sobre a polêmica envolvendo o Madrugadão Lanches no último fim de semana, em que o proprietário da lanchonete divulgou um vídeo nas redes sociais dizendo que não cumpriria normas impostas por um decreto do governo do Estado, Benkendorff classificou a situação como caso isolado e disse que a entidade não se posicionaria oficialmente sobre o assunto.

— A Associação Blumenau Gastronômico surgiu com o intuito de elevar a gastronomia blumenauense. Essa é a nossa missão, é isso que nós fazemos. Diante disso, a gente deixa bem claro que a nossa ideia nunca foi enfrentamento, desordem ou não seguir tudo que é falado. A gente atua, sim, em cima de lei, conversa e entendimento para conseguir o que a gente precisa e é possível.

Por fim, disse que a pandemia fez muitos estabelecimentos perceberem pontos sensíveis das operações, criou a necessidade de se corrigir processos e que existe uma expectativa positiva de retomada com mais força do segmento no segundo semestre, caso a vacinação em massa avance. Benkendorff também pregou consciência e bom senso, pedindo ao consumidor que evite frequentar estabelecimentos que descumprem regras ou promovam aglomerações.

 

 

Via NSCTotal – Santa