Notícias

Compartilhe:

 

Presidente da Comissão Europeia afirmou que o bloco realizará uma “reforma profunda e abrangente” para dissociar o custo do gás do preço da eletricidade

A União Europeia quer levantar 140 bilhões de euros (US$ 140 bilhões) aproveitando os lucros inesperados de algumas empresas de energia para ajudar famílias e empresas a pagar contas de gás e eletricidade nas alturas.

Nesta quarta-feira (14), a Comissão Europeia propôs limitar os lucros dos produtores de eletricidade renovável e nuclear e tributar os ganhos inesperados das empresas de petróleo e gás.

Os lucros de geradores de energia usando energia eólica, solar e nuclear aumentaram porque suas tarifas estão ligadas ao preço de atacado do gás natural, que atingiu um recorde em março depois que a Rússia invadiu a Ucrânia, hoje cerca de 550% acima do ano anterior níveis.

A Europa sancionou as exportações russas de petróleo e carvão após a invasão, levando Moscou a reduzir o fornecimento de gás em troca.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse nesta quarta-feira que o bloco realizará uma “reforma profunda e abrangente” para dissociar o custo do gás do preço da eletricidade.

“Essas empresas estão obtendo receitas que nunca contabilizaram, com as quais nunca sonharam”, disse ela aos legisladores da UE em um discurso em Estrasburgo, na França.

“É errado receber lucros recordes extraordinários beneficiando-se da guerra e nas costas dos consumidores”, acrescentou.

As propostas da Comissão ainda precisam ser debatidas e adotadas pelos Estados membros da UE.

O bloco pode introduzir um limite de 180 euros (US$ 180) por megawatt-hora na eletricidade produzida por empresas de energia renovável, disse a Comissão em comunicado.

O preço de referência do gás no atacado da Europa é atualmente de 212 euros (US$ 212) por megawatt-hora.

Os preços do gás natural e do petróleo começaram a subir no ano passado, quando os países reabriram de seus bloqueios pandêmicos, provocando um aumento na demanda.

Mas a invasão da Ucrânia pela Rússia no final de fevereiro – e o conflito de energia resultante entre a Europa e Moscou – os fez explodir.

Desde então, o petróleo recuou à medida que a desaceleração econômica global leva à redução da demanda, mas os preços do gás natural permanecem mais altos do que o pico de março.

A proposta da UE faz parte de um pacote de medidas para ajudar a região a enfrentar a crise energética neste inverno, quando as temperaturas caem e a demanda normalmente aumenta.

O pacote inclui uma “contribuição de crise” dos produtores de petróleo, gás e carvão, que obtiveram lucros igualmente enormes, e metas obrigatórias para os países reduzirem seu consumo de eletricidade durante os horários de pico.

A Comissão disse em seu comunicado que os estados membros da UE devem cobrar um imposto extra sobre quaisquer lucros que excedam os ganhos médios dos últimos três anos em mais de 20%.

Não especificou a alíquota do imposto.

“Eles têm que pagar uma parte justa”, disse von der Leyen.

Ela também disse que os bilhões de governos nacionais que já se comprometeram a apoiar os consumidores “não seriam suficientes” por conta própria.

Juntos, os países europeus e o Reino Unido – que está atolado em sua própria crise energética – até agora prometeram cerca de 500 bilhões de euros (US$ 500 bilhões) em subsídios para ajudar famílias e empresas a lidar com as contas de energia disparadas.

O Reino Unido impôs um imposto de 25% sobre os lucros inesperados de suas empresas de petróleo e gás no início deste ano para ajudar a pagar uma rodada inicial de alívio para os clientes este ano.

Mas a primeira-ministra Liz Truss descartou aumentar ou estender o imposto para ajudar a financiar seu plano muito mais ousado de limitar as contas domésticas em 2.500 libras (US$ 2.888) por ano pelos próximos dois anos e apoiar as empresas nos próximos seis meses.

Analistas dizem que essas medidas podem custar até 150 bilhões de libras (US$ 173 bilhões).

Fonte: CNN Brasil