Notícias

Compartilhe:

Pesquisas de junho do IBGE sobre o desemprenho de atividades econômicas de SC mostram ritmo menor, mas crescimento da maioria. O volume de serviços, que tem maior peso no Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 4,3% de janeiro a junho deste ano frente ao mesmo período do ano passado. Nessa mesma comparação o volume de varejo ampliado cresceu 5,3% e a produção industrial recuou 5,4%.

O IBGE encerrou nesta quinta-feira a divulgação das pesquisas com o levantamento de serviços. Em junho, frente ao mês anterior, na série com ajuste sazonal, o setor caiu -0,5%, frente ao mesmo mês de 2021 cresceu 2,3% e no acumulado de 12 meses até junho avançou 8,4%.

A maior alta setorial em junho frente ao mesmo mês do ano anterior foi no grupo de serviço às famílias, em 28,5%, seguida pelo grupo de outros serviços (9,1%), transportes (4,1%) e informação e comunicação (3,0%). O serviços profissionais, administrativos e complementares caíram 17,5% frente a junho de 2021.

O turismo avançou 1% em junho frente ao mês anterior, cresceu 35,3% frente ao mesmo mês de 2021 e 43,2% no ano.

Comércio cresce 5,3%

O volume de varejo ampliado, que inclui veículos e materiais de construção, teve alta acumulada de 5,3% no primeiro semestre do ano em SC frente ao mesmo período de 2021, segundo o IBGE. Em 12 meses cresceu 4,8%, em junho frente a maio recuou 1,2% e em relação ao mesmo mês de 2021 cresceu 1,2%.

Tiveram crescimento em junho frente ao mesmo mês de 2021, em volume, os setores de produtos para escritório (40,8%), artigos farmacêuticos (11,1%), combustíveis e lubrificantes (7,7%), veículos e peças (3,4%), hipermercados e supermercados (2%).

Os setores do comércio que recuaram na mesma comparação foram têxteis e vestuário (-13,1%), móveis (-7,0%), outros artigos de uso pessoal e doméstico (-6,0%) e materiais de construção (-5,6%).

Indústria recua 5,4%

A produção industrial mensal catarinense, em volume, fechou o primeiro semestre de 2022 com queda de 5,4% em relação aos mesmos meses de 2021. No acumulado de 12 meses, recuou 3,8%, em junho frente a maio cresceu 0,2% e teve alta de 0,6%

Os setores industriais de SC que cresceram em junho ante igual mês de 2021 foram produtos alimentícios (14,3%), confecções (13,7%), produtos de metal (8,5%), veículos e reboques (2,9%), celulose e papel (2,8%). Os maiores recuos foram em produtos de madeira (-19,2%), têxteis (-15,1%), metalurgia (10,9%), máquinas e equipamentos (-7,8%), minerais não metálicos (-6,5%), plástico e borracha (-3,8%).

Cenário melhor no segundo semestre

Como era esperado, esses setores, em Santa Catarina, tiveram retração no primeiro semestre em função da inflação alta, crise externa e, também, porque cresceram acima da média nacional no ano passado.

Para o segundo semestre deste ano, as expectativas são de maior crescimento em função do maior ritmo do período, pagamento do Auxílio Brasil, Auxílio Caminhoneiro e reduções tributárias.

Além disso, o período conta com o impulso de obras públicas devido às eleições, mais as datas festivas: Dia dos Pais, Dia da Criança, Black Friday e festas de fim de ano. O único evento que deve reduzir a atividade econômica é a Copa do Mundo em novembro, quando a economia deve recuar nos dias de jogos, à tarde. O evento será no Catar.

Via NSCTotal – Coluna Estela Benetti