Notícias

Compartilhe:

O crescimento do mercado de exportação de embarcações de lazer em Santa Catarina tem provocado uma corrida no setor portuário para transportar iates milionários para clientes em todo o mundo. Os estaleiros instalados no Estado respondem, atualmente, por 95% das lanchas e iates que são enviados do Brasil para o exterior.

O Porto de Itapoá criou uma estrutura específica para o transporte de embarcações. O terminal decidiu “surfar a onda” de aquecimento do mercado náutico, que vem ganhando fôlego desde o início da pandemia. Desde janeiro do ano passado, 32 lanchas e iates foram transportados pelo terminal no Norte do Estado.

Do total, 20 foram do tipo Out of Gauge (OOG) – na nomenclatura portuária, é como se denominam as cargas que excedem o tamanho regular dos contêineres. Outros 12 eram embarcações ainda maiores, que demandaram transporte Break Bulk. Nesse caso, são operacionalizados projetos especiais de logística para cargas excepcionalmente grandes. É o que ocorre com os superiates.

Os portos de Itajaí e Navegantes também costumam atuar no transporte de embarcações. Os terminais estão ao lado do principal polo de fabricação da indústria de construção náutica de lazer no Estado – hoje, a região de Itajaí concentra a maioria dos grandes estaleiros que se instalaram em Santa Catarina nos últimos anos, como Sedna, Okean/Ferretti, Fibrafort e Azimut.

O transporte de embarcações já rendeu histórias curiosas. Em 2017, por exemplo, em meio ao escândalo que envolvia delações do empresário Joesley Batista, da JBS, o iate dele, avaliado em US$ 10 milhões, foi embarcado em um navio no Porto de Itajaí com destino a Miami, na Flórida. Joesley estava de mudança, conforme previa a delação. As imagens da embarcação, que levava o nome de “Why not”, rodaram o país.

Em Santa Catarina são produzidas embarcações de diversos tamanhos – incluindo gigantes com mais de 80 pés. Entre eles, um dos maiores iates produzidos no país, o Azimut Grande 27 Metri, da fabricante italiana Azimut, que custa R$ 55 milhões.

Via NSCTotal – Coluna Dagmara Spautz