Notícias

Compartilhe:

Inflação acelerada e alta da taxa básica de juros são os principais motivos para a redução dos empregos

O comércio de Santa Catarina demitiu mais do que contratou nos primeiros quatro meses do ano, segundo dados do Observatório Fiesc. O resultado vai na contramão dos outros setores da economia, que acumulam saldo positivo de novos . A inflação acelerada e alta da taxa básica de juros são os principais motivos para a redução dos empregos.

De janeiro a abril de 2022, foram criadas 113.269 vagas, enquanto 113.823 foram fechadas no comércio, acumulando saldo negativo de – 554. Ao considerar todos os setores da economia catarinense, entretanto, o resultado é positivo: foram 66.922 empregos criados.

Apesar de o comérico ter sido um dos primeiros setores a entrar no processo de retomada econômica pós-pandemia, a alta da inflação e taxa Selic fizeram o crescimento desacelerar, principalmente desde o segundo semestre de 2021, segundo o economista da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina (Fecomércio-SC), Alisson Fiuza.

— Os juros altos fazem com que os empresários reduzam os investimentos, ou seja, reduzem também as contratações. E o orçamento apertado das famílias, por conta da inflação alta, faz com que haja menor demanda — explica.

No entanto, há uma desigualdade entre os grupos dentro do setor de comércio. Enquanto supermercados e comércio de roupas e sapados apresentam redução de vendas, lojas farmacêuticas e postos de combustível apresentam aumento.

No setor de supermercados e hipermercados, as vendas estão reduzidas devido à alta de preços e pela demanda por alimentação fora do domicílio, atendida pelo setor de serviços. Assim como o comércio de roupas e sapatos, por conta do orçamento reduzido das famílias. 

Já as lojas de farmacêuticos seguem crescendo, com aumento dos cuidados com a saúde. Postos de combustível também registram aumento, já que a volta da circulação das pessoas fez aumentar a demanda por gasolina.

Expectativa das atividades econômicas no 2º semestre

Para o economista, o cenário do segundo semestre de 2022 deve se manter nesse nível de diminuição das atividades econômicas de todos os setores:

— Há um aumento na quantidade de empresários indicando que tendem a reduzir os postos de trabalho nos próximos meses. Em dezembro de 2021, cerca de 10% afirmavam que nos próximos três meses poderiam diminuir seu quadro de funcionários. Já na pesquisa de maio, 23% dos empresários apontaram que pretendem reduzir se quadro nos próximos meses.

Via Diário Catarinense