Notícias

Compartilhe:

As cidades de Florianópolis e Joinville estão entre as 10 melhores para empreender no Brasil segundo o ranking do Índice de Cidades Empreendedoras ICE 2022. A lista top 10, na ordem, tem São Paulo (1º lugar), Florianópolis (2º), Curitiba (3º), Vitória (4º), Belo Horizonte (5º), Porto Alegre (6º), São José dos Campos (7º), Osasco (8º), Joinville (9º) e Cuiabá (10º). Entre as 100 melhores, SC tem também Blumenau em 20º lugar.

O ranking leva em conta sete fatores determinantes de competitividade: ambiente regulatório, infraestrutura, mercado, capital financeiro, inovação, capital humano e cultura empreendedora. O estudo foi realizado pela

Escola Nacional de Administração Pública (Enap) em parceria com a Endeavor.

Florianópolis tem se mantido em segundo lugar nesse ranking porque lidera em capital humano e tem ficado em terceiro lugar em inovação, dois índices que pesam mais para as cidades serem empreendedoras. Em ambiente regulatório teve a 7ª posição, em acesso a capital a cidade ficou em 8º, em mercado e infraestrutura em 10º, e em cultura empreendedora, em 11º.

Joinville se destacou com o quarto lugar em ambiente regulatório em 11º em inovação e 13º em mercado. Em capital humano ficou em 22º, acesso a capital 26º, cultura empreendedora 35º e infraestrutura 41º.

O que projeta Florianópolis no capital humano é a qualidade da educação. O estudo leva em conta uma série de fatores, incluindo alto desempenho dos alunos no Enem; alta proporção de adultos com ensino médio completo; elevada proporção de matriculados no ensino técnico e profissionalizante; a elevada proporção de adultos com ensino superior completo; e alta proporção de alunos com formação superior em cursos avaliados como sendo de alta qualidade.

Em 2014, quando a Endeavor lançou um ranking entre as melhores capitais para empreender, Florianópolis ficou em primeiro lugar. Naquele ano, ela tinha 58% dos estudantes em cursos superiores avaliados com notas 4 e 5 pelo Enade.

Existe uma forte correção entre qualidade da educação, proporção de mestres e doutores em ciência e tecnologia com o nível de desenvolvimento e inovação de uma economia. Florianópolis, que tem o setor de tecnologia como principal, se projeta com elevado nível educacional e pode ter uma economia ainda mais forte, com mais investimentos.

Apesar da pesquisa avaliar somente as três maiores cidades catarinenses, o Estado conta com dezenas de cidades menores, com diferenciais semelhantes, por isso conta com um crescimento econômico e geração de empregos acima da média nacional.

Via NSCTotal – Coluna Estela Benetti