Notícias

Compartilhe:

Santa Catarina é estado que mais gerou empregos na construção civil em proporção à população total no primeiro trimestre deste ano, de acordo com dados do Ministério do Trabalho e Previdência. Ao todo, foram 9.763 novas vagas em janeiro, fevereiro e março.

Os dados da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) mostram que o nível de atividade no 1º trimestre de 2022 é o melhor dos últimos 10 anos. Considerando somente os meses de março, o setor alcançou o maior patamar desde 2012 e a construção de edifícios é a área que mais impulsiona o nível de atividade.

O número total de empregos gerados em SC foi maior do que em estados mais populosos como Paraná (4.929), Minas Gerais (6.853), Rio Grande do Sul (2.060) e Pernambuco (2.821). Mas os números indicam que o setor cresce em todo o país. Os dados da CIBC mostram que o nível de atividade no 1º trimestre de 2022 é o melhor dos últimos 10 anos.

O bom momento no setor é puxado principalmente pela construção de torres residenciais no Litoral – na Capital e em cidades como Balneário Camboriú, Itapema e Itajaí, que estão no topo dos rankings nacionais de valorização imobiliária.

A alta atividade aumenta a demanda por insumos e serviços. O consumo de cimento em Santa Catarina, por exemplo, é 12,5% maior do que a média nacional. A procura por andaimes, utilizados na construção dos prédios, também aumentou.

Uma das empresas especializadas no setor, a paranaense Versátil Andaimes e Escoramentos, que é líder no segmento de aluguel de equipamentos no PR e em SC, precisou investir para acompanhar o ritmo das obras. Adriano Greca, diretor de Operações da empresa, diz que SC absorve quase 60% do estoque de escoramento metálico usado na construção de edifícios.

As unidades da empresa em Joinville e Palhoça foram modernizadas, o setor de engenharia ampliado, a logística foi reestruturada para garantir a manutenção dos equipamentos, e o parque industrial na região de Curitiba foi reforçado para agilizar a disponibilidade de equipamento enquanto a demanda não para de crescer.

Via NSCTotal – Coluna Dagmara Spautz