Notícias

Compartilhe:

A revolução das malhas

Um divisor de águas no fisco catarinense, literalmente mexendo com grande parte da sistemática de trabalho, até então pouco aplicada devido a uma série de fatores. As diversas plataformas contendo preciosas informações repassadas pelos contribuintes, órgãos parceiros ou por “abnegados catadores”, não estavam dimensionadas ao ponto de se utilizar a contento. A expertise de colegas auditores fiscais, aliada à criatividade amparada pelo sistema SAT da Fazenda propiciaram uma interação com clareza e precisão dos dados disponíveis. No bom português, melhoraram a conversação.

Nascia assim, em 1º de setembro de 2020, o aplicativo das malhas fiscais. Ao completar dois anos do lançamento, a aplicação vem mudando a forma de trabalhar dos auditores fiscais e também dos profissionais da contabilidade.

1 bilhão recuperado

Verdadeira demonstração de que o trabalho inteligente e dedicado, a otimização, parceria, transparência e espontaneidade na regularização das inconsistências produzem ótimos resultados para o estado e contribuintes. Com isso, a concorrência desleal é combatida e os investimentos públicos são revigorados. O catarinense agradece.

Já foram lançadas 15 Malhas Fiscais que identificam inconsistências ocorridas desde 2019. A atividade de monitoramento é desenvolvida por 131 auditores fiscais, coordenado pelo colega e auditor fiscal Huelinton Pickler, cujo valor recuperado já ultrapassa R $1,1 bilhão. O acompanhamento atual se volta para 2021 e 2022, objetivando o saneamento de R $1,6 bilhão. Também já foram e estão em fiscalização os contribuintes que não optaram e não efetuaram a autorregularização das inconsistências dos exercícios de 2019 e 2020.

Novos tempos

Vem mais por aí. Atualmente dezenas de Malhas Fiscais estão em desenvolvimento e, em breve, a quase totalidade dos erros declaratórios serão identificados, possibilitando ao profissional da contabilidade a rápida regularização. Para o contribuinte, o aproveitamento da denúncia espontânea e seus benefícios. Tudo isso é sinal de novos tempos; inovação, facilitação, dinamismo e modernidade. O fisco otimiza a ação e promove a justiça fiscal e os contribuintes aproveitam as informações e os benefícios num ambiente transparente e seguro. Repetindo: na revolução das malhas todos ganham, exceto os sonegadores e concorrentes desleais.

7 de setembro

As cores da bandeira foram as vedetes na comemorativa data no Brasil. O que deveria ser uma rotina; além das repartições e monumentos públicos, pouco se vislumbra o desfraldamento do maior símbolo nacional (juntam-se: brasão, hino nacional e selo), que na maioria das vezes, tem ficado no esquecimento. Bandeira tremulando nos estabelecimentos comerciais, contam-se nos dedos. Caso alguém ouse reverenciar, recebe a pecha de que se trata de pessoa daquele lado, como se patriotismo e amor ao país tivessem lado. No entanto, quem o pratica deve fazê-lo com todo o respeito. Para que se aprenda, é necessário que as escolas ensinem. Que venham outros 200 anos, com aprendizado, patriotismo e respeito. E viva a independência.

 

Refletindo: “O que me preocupa não é o grito dos maus, mas o silêncio dos bons”. Martin Luther King. Uma ótima semana!

 

Por Pedro Hermínio maria – Auditor Fiscal da Receita Estadual de SC