Notícias

Compartilhe:

O ritmo de crescimento da atividade econômica catarinense se manteve em janeiro, apesar de leves recuos, considerando os números do acumulado de 12 meses, apurados pelo IBGE. Isso apesar de a variante ômicron e a inflação terem impactado negativamente uma série de setores no Brasil. Os dados sobre arrecadação de impostos do Estado também indicam que a economia de SC mantém crescimento.

Em janeiro, o setor de serviços de SC registrou crescimento de 14,7% no acumulado de 12 meses, frente período semelhante anterior, segundo o IBGE. Na comparação com dezembro, recuou -1,7% e frente ao mesmo mês de 2021, cresceu 5,2%. Os setores que mais cresceram frente a janeiro de 2021 foram serviços às famílias com alta de 14,6% e transportes, 15,1%.

A produção industrial catarinense, segundo o IBGE, cresceu 8,5% no período anualizado até janeiro, menos do que no mês anterior nessa comparação, quando avançou 10,2%. Frente a dezembro, teve alta de 0,9 e ante mesmo mês do ano anterior recuou -9,7%.

Os setores de madeira (15%) e minerais não-metálicos (7,6%) foram os que mais cresceram em janeiro frente ao mesmo período de 2021. Os recuos maiores nessa comparação foram em têxteis (-27,9%), máquinas e equipamentos (-23,8%) máquina, aparelhos e materiais elétricos (-20,0%), borracha e de material plástico (-14,9%) e confecção e acessórios (-13,7%).

O comércio também cresceu em janeiro. O varejo ampliado avançou 9% no período anualizado, teve alta de 1,7% frente ao mês anterior e de 4,8% em relação a janeiro de 2021. As maiores variações nessa última comparação foram de livros e papelaria (33%), produtos para escritórios (18,8%), artigos farmacêuticos (18,1%) e veículos (15,5%).

Esses dados do IBGE estão em sintonia com o crescimento real (descontada a inflação) da arrecadação de janeiro do Estado, que subiu 5,8%, e de fevereiro, que avançou 7%. Apesar de a nova crise gerada pela guerra Rússia-Ucrânia ter elevado a expectativa de inflação para este ano a 6,45% (pesquisa Focus), o cenário para SC segue de crescimento maior que a média brasileira.

Via NSCTotal – Coluna Estela Benetti