Notícias

Compartilhe:

Arrecadação do setor de combustíveis saltou 192,54%, dando a maior contribuição absoluta para a alta

A arrecadação do governo federal teve alta real de 11% no primeiro semestre deste ano e atingiu patamar recorde da série histórica iniciada em 1995, a R$ 1,090 trilhão, informou a Receita Federal nesta quinta-feira (21), em período marcado pela normalização da atividade após a pandemia e efeito inflacionário sobre a tributação.

A alta foi fortemente influenciada pelo crescimento da arrecadação do setor de combustíveis, sob o impacto do aumento do preço do petróleo no mercado internacional gerado pela Guerra da Ucrânia.

Se considerada apenas a arrecadação administrada pela Receita Federal, que engloba a coleta de impostos de competência da União, houve alta real de 9% no semestre. No período, a arrecadação do setor de combustíveis saltou 192,54%, dando a maior contribuição absoluta (R$ 34,807 bilhões) para a alta.

Já as receitas administradas por outros órgãos, que são sensibilizadas sobretudo pelos royalties decorrentes da produção de petróleo, aumentaram 56,73% acima da inflação no período.

No mês de junho, a arrecadação teve alta real de 17,96% sobre igual mês do ano passado, a R$ 181,040 bilhões, maior patamar para o mês da série histórica corrigida pela inflação, iniciada em 1995.

ARRECADAÇÃO RECORDE CONFIRMA CRESCIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL, DIZ GUEDES

O nível recorde da arrecadação tributária no primeiro semestre deste ano é sintoma inequívoco de que o crescimento econômico está surpreendendo e é sustentável, disse nesta quinta-feira Paulo Guedes, ministro da Economia.

Para ele, o Brasil está conseguindo sustentar o crescimento da atividade mesmo com a alta dos juros.

Apesar da avaliação do ministro, a atividade econômica brasileira declinou em abril e maio, indicaram dados do Banco Central. O BC também acredita que a economia irá retrair com mais intensidade no segundo semestre em resposta aos efeitos do duro ciclo de alta da taxa Selic.

Via Folha de São Paulo